A Prefeitura de Goiânia pretende argumentar, no Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás (TCM-GO), que a previsão de que o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais (GoiâniaPrev) aplique 30% de seu patrimônio líquido na empresa que vencer a licitação da venda da folha dos servidores municipais não fere a autonomia do instituto. A definição saiu de ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários