A Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego) aprovou, nesta quarta-feira (18), o projeto de lei nº 2163/22, que prevê a criação de 621 novos cargos para o Corpo de Bombeiros de Goiás. Com 27 votos favoráveis na provação, o PL reestrutura a carreira de oficiais e praças da corporação. Isso porque permite promoção de quem se enquadra nas regras do Estatuto dos Bombeiros Militares.

O texto do projeto foi elaborado em parceria com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-GO) e o Corpo de Bombeiros. A última vez que houve restruturação na corporação foi há 10 anos e atualmente as promoções só acontecem quando alguém é transferido para a reserva remunerada. Com a mudança, 621 militares poderão ser promovidos. O valor previsto pela Secretaria de Estado da Economia para as promoções é de R$ 920 mil.

A partir de agora o projeto vai se tornar lei e entra em vigor logo que for sancionado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). “É um projeto de reestruturação total, que faz com que os integrantes da corporação possam almejar cargos maiores e progredir na carreira para que haja uma melhor proporção entre todos”, afirmou o governador.

De 2019 a 2021, a média de promoção foi de 130 oficiais e pela lei vigente, em 2022 seria permitida a de 30 militares dos bombeiros.

Novas unidades operacionais

Atualmente, há 52 unidades operacionais em 45 cidades com 2,4 mil bombeiros militares no quadro de efetivos. A meta é instalar novas unidades operacionais até 2031 em mais de 18 municípios goianos: Acreúna, Alexânia, Alto Paraíso de Goiás, Anicuns, Aragarças, Bom Jesus de Goiás, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Hidrolândia, Itapaci, Itapuranga, Jussara, Mozarlândia, Novo Gama, Padre Bernardo, Piracanjuba, São Simão e Valparaíso de Goiás.