Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Química  (IQ) da Universidade Federal de Goiás (UFG), que monitora desde maio de 2021 o vírus SARS-CoV-2 nos esgotos de Goiânia, constatou que a concentração do vírus atingiu taxas similares às do primeiro semestre de 2021, quando houve a segunda onda da Covid-19.

A equipe de cientistas percebeu que a carga viral cresceu, em especial nas últimas três semanas, quando pulou de 20 trilhões de cópias do vírus por dia, para cada 10 mil habitantes, para 142 trilhões de cópias por dia. O aumento foi de sete vezes entre os dias 29 de maio a 18 de junho.

De acordo com as observações dos estudiosos, a concentração do vírus encontrada na terceira semana de junho de 2022 foi a maior em um ano e a tendência tem sido de aumento da carga viral.

Segundo a professora do Instituto de Química, Gabriela Duarte, que lidera a equipe deste projeto, “a ferramenta sugere necessidade urgente de medidas de controle sanitário para o enfrentamento da pandemia”.

Leia também:

- Confira onde fazer teste de Covid-19 em Goiânia durante a semana

-  Ministério da Saúde libera quarta dose da vacina contra Covid-19 para maiores de 40 anos

- Goiânia e Aparecida começam a aplicar 4ª dose contra Covid-19 em pessoas com mais de 40 anos

Ela ainda garante que o aumento de contaminações não se deve a uma perda de eficácia da vacina. “Uma prova disso é que o número de casos tem aumentado, mas a gravidade deles não. As pessoas estão tendo sintomas leves. O crescimento não tem refletido em internações e óbitos. Sem a vacina, os números de internações e óbitos estariam bem diferentes”, disse.

Estação de tratamento

O monitoramento é realizado na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Dr. Hélio Seixo de Britto, que recebe cerca de 70% do esgoto da capital.  Segundo Duarte, a escolha por esta estação foi estratégica para o acompanhamento. “Ela representa bem a cidade, por isso escolhemos ela, que é a maior estação de tratamento”, afirmou à reportagem.

Os resultados dos estudos foram encaminhados às autoridades, de acordo com a pesquisadora, para que “medidas relacionadas à gestão sejam tomadas e para que as secretarias consigam se organizar para atender a população”.

As amostras são coletadas semanalmente e permitem com que a Vigilância Epidemiológica desenvolva ações de controle da Covid-19.