A rede municipal de saúde em Goiânia desativou 21 leitos de UTIs destinados ao tratamento da Covid-19 nesta terça-feira (11). Por conta da desmobilização das vagas, a ocupação das UTIs municipais está em 94%. 

As vagas desativadas estavam instaladas no Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Diante do novo quantitativo, a rede possui apenas três vagas de UTIs exclusivas para pacientes com Covid-19. A SMS afirmou que estuda a questão e deve se posicionar sobre medidas nas próximas horas.

O número de leitos ofertados pela SMS caiu de 90 para 69. Atualmente há 64 pessoas internadas em UTIs Covid-19 na rede municipal. A última vez que a pasta registrou mais de 69 internados foi no dia 21 de dezembro. Desde então esse quantitativo se manteve estável em torno de 60.

De acordo com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que administra a o HC, foram fechados 55 leitos, sendo 40 de UTI e 15 de enfermaria desde o dia 31 de dezembro por conta do fim de um contrato que a mesma mantinha com a Prefeitura. 

Estado

A rede estadual registrou, também nesta terça, novo aumento do número de internações de pacientes com Covid-19 em UTIs. Os hospitais tiveram acréscimo de 11 novos leitos em 24 horas. Apesar disso, com dez novos internados, a taxa de ocupação se manteve alta, ficando em 73,1% no balanço publicado no início da tarde. São 55 novos internados em 18 dias.