A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) confirmou na tarde desta terça-feira (2) transmissão comunitária da varíola dos macacos (Monkeypox) - quando não é possível rastrear qual a origem da infecção de um ou mais casos. Em nota, a pasta informou três novas infecções. No total, a capital tem 29 registros da doença, que estão sendo monitorados pelo Centro de Informações Estratégicas e Vigilância em Saúde (Cievs).

Segundo a SMS, a maioria dos pacientes tem histórico de viagem a São Paulo, Rio de Janeiro ou país com transmissão comprovada. Com isso, a pasta reforçou que as unidades de saúde estão capacitadas para atender esses pacientes e orienta a população a procurar atendimento médico caso perceba sintomas da doença.

“Todas as unidades de saúde já estão capacitadas para realização desses atendimentos. Ao aparecerem quaisquer sinais ou sintomas, como febre alta súbita, dor de cabeça, aparecimento de inflamação de linfonodos (ínguas), erupções cutâneas e mal-estar, é necessário que o paciente procure serviço de saúde para fazer avaliação clínica necessária”, recomenda a SMS.

Além disso, a SMS informou que todos os pacientes com o vírus são do sexo masculino e tem entre 20 e 47 anos de idade.

Estado

Goiás é o sexto estado com mais casos confirmados da varíola dos macacos no país. O Informe Monkeypox desta segunda-feira (1º) mostra que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) já notificou mais de 100 registros da doenças. Dentre eles, 32 foram confirmados, 54 estão aguardando conclusão dos exames laboratoriais no Rio de Janeiro (RJ) e 17 foram descartados.

Transmissão

Por fim, vale destacar que a transmissão ocorre por contato físico com alguém que tenha sintomas, como por exemplo, o contato com as lesões, crostas, fluidos corporais e gotículas respiratórias. Além disso, o vírus pode ser transmitidos por materiais contaminados, como roupas de cama e talheres que tenham sido utilizados por pessoas que estejam sintomáticas.

Íntegra da nota da SMS

Sobre a Monkeypox, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa o que se segue:

Até esta terça-feira (02/08), foram confirmados 29 casos de Monkeypox em Goiânia. Todos são pacientes do sexo masculino, com idades entre 20 e 47 anos. 

Dentre eles, a maioria tem histórico de viagem a São Paulo, Rio de Janeiro, país com transmissão comprovada ou contato com pessoas que realizaram viagens a esses locais.

Em virtude da apresentação de pacientes confirmados que não têm histórico de viagem a locais com casos confirmados da doença, bem como contato com tais pessoas, a SMS confirma a transmissão comunitária na capital goiana.

Não há casos em internação hospitalar até o momento no município. Em todas as situações, os casos suspeitos e confirmados estão sendo monitorados pelo Centro de Informações Estratégicas e Vigilância em Saúde (Cievs) do município.

A SMS informa a população que, ao aparecerem quaisquer sinais ou sintomas, como febre alta súbita, dor de cabeça, aparecimento de inflamação de linfonodos (ínguas), erupções cutâneas e mal-estar, é necessário que o paciente procure serviço de saúde para fazer avaliação clínica necessária.

No caso de Goiânia, todas as unidades de saúde já estão capacitadas para realização desses atendimentos.

A transmissão ocorre por contato físico com alguém que tenha sintomas, contato com as lesões, crostas, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama e talheres que tenham sido utilizados por pessoas que estejam sintomáticas.

Leia também:

- Ministério da Saúde confirma primeira morte por varíola dos macacos no Brasil

- Casos graves da varíola dos macacos são mais comuns em pessoas imunossuprimidas