Atualizada às 21h07

O médium João Teixeira de Faria, de 80 anos, conhecido como João de Deus, se casou com uma advogada, em Anápolis. O pedido de conversão de união estável em casamento foi feito em 9 de abril e será concluído nesta quarta-feira (4). Ele é condenado por diversos crimes sexuais e cumpre prisão em regime domiciliar. 

A união é com Lara Cristina Capatto, de 50 anos. Ela é de São Paulo. Eles firmaram união estável em 1° de setembro de 2021, quando ele estava encarcerado no Complexo Prisional de Aparecidade Goiânia. O regime da união é de separação de bens. João já foi casado outras vezes. Ele tem nove filhos.  

João de Deus cumpre pena por crimes sexuais desde 2018 e foi para a prisão domiciliar em março de 2020. Ele chegou a voltar para o o regime fechado em agosto 2021. Entretanto, no mês seguinte ele foi para casa novamente. 

Em nota, Anderson Gualberto, que é advogado de João de Deus, comunicou que "a vida particular do meu cliente deve ser preservada e não temos autorização para comentar. De qualquer sorte, casar não é crime e nem atenta contra as regras da prisão domiciliar que foram impostas."

Leia também:

- João de Deus movimentou R$ 240 milhões em dez anos

- ‘Acho absurdo prisão domiciliar’, diz empresária que denunciou João de Deus

As condenações por crimes sexuais

Em 20 de janeiro de 2020, Teixeira foi condenado a 40 anos de prisão em regime fechado pelo crime de estupro de vulnerável contra cinco pessoas. Em 25 de maio de 2021, uma condenação envolvendo violação sexual mediante fraude resultou em 2 anos e 6 meses de reclusão. Esse processo, segundo o TJGO, envolve dez vítimas apresentadas pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), mas o Poder Judiciário rejeitou a acusação de nove delas e o processo seguiu com apenas uma, o que justifica o tempo de pena.

Em 25 de novembro de 2021, João foi condenado a 44 anos e 6 meses de reclusão em regime inicialmente fechado pela prática de dois crimes de estupro e dois de estupro de vulnerável. A Justiça fixou indenizações por danos morais às vítimas em valores que variam de R$ 20 mil a R$ 75 mil. Neste processo constam fatos que ocorreram entre os anos de 2009 e 2018, envolvendo cinco vítimas. Com relação a uma delas, o líder espiritual foi absolvido por insuficiência de provas.

A última condenação de João aconteceu em 31 de janeiro de 2022. A Justiça determinou quatro anos de reclusão por crime de violação sexual mediante fraude. O fato do crime, conforme a denúncia, ocorreu em agosto de 2018 e a sentença determinou ainda que o líder religioso pague à vítima indenização de R$ 20 mil por danos morais. Ele conseguiu o direito de recorrer em liberdade, mas já estava em prisão domiciliar por outro processo por determinação do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO). (Colaborou Márcio  Leijoto)

Linha do tempo

2018 
7 de dezembro– Primeiras denúncias contra médium são divulgadas em Programa do Bial, da TV Globo 
15 de dezembro – João é considerado foragido e entra na lista de procurados da Interpol 
16 de dezembro – Preso pela Polícia Civil de Goiás 

2019

22 de março – João é internado no Hospital Neurológico de Goiânia 

6 de março – Após 76 dias de internação, retorna para Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia 

2020 

20 de janeiro – João e condenado a 40 anos de prisão
26 de março – Justiça autoriza prisão domiciliar para João Teixeira 
31 de março – João deixa presídio em Aparecida e Goiânia e segue para prisão domiciliar em Anápolis 
23 de outubro – Com fadiga e palpitações, é encaminhado a hospital em Anápolis e depois transferido para Hospital Sírio Libanês, em Brasília 
4 de novembro – Após 12 dias de internação, recebe alta hospitalar e volta para casa 

2021

25 de maio – Condenado a 2 anos e 6 meses de reclusão 

26 de agosto - Justiça determina nova prisão após 15ª denúncia do MP

15 de setembro - Tribunal vota por unanimidade em prisão domicilar 

25 de novembro – Condenado a 44 anos e 6 meses pelos crimes de estupro e estupro de vulnerável

2022

31 de janeiro – Condenado a quatro anos de reclusão por crime de violação sexual mediante fraude