O Ministério da Saúde publicou nesta sexta-feira (6), no Diário Oficial da União, a incorporação do medicamento composto pelos antivirais nirmatrelvir e ritonavir. Esse é o primeiro tratamento incluído no Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento de pacientes com quadro leves a moderados da Covid-19 e alto risco de complicações.

A incorporação foi recomendada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), em reunião nessa quinta (5). A Pasta tem 180 dias após publicação da incorporação para disponibilizar a tecnologia na rede pública.

Com potencial para redução da evolução da doença para quadros graves, o medicamento será ofertado para pacientes adultos imunocomprometidos ou com idade igual ou superior a 65 anos.

Leia também

Anvisa aprova uso emergencial de pílula da MSD contra Covid

O tratamento só poderá ser utilizado em caso de teste positivo para Covid-19 e em até cinco dias após início dos sintomas.No mês passado, o Ministério da Saúde incorporou o medicamento baricitinibe para casos graves da Covid-19. 

Como funciona

O nirmatrelvir e o ritonavir são dois medicamentos antivirais utilizados em conjunto para o tratamento da SARS-CoV-2. Essa associação medicamentosa é administrada por via oral e indicada para pacientes com Covid-19 leve à moderada, não hospitalizados, que apresentam elevado risco de complicações e sem necessidade de uso de oxigênio suplementar.

O nirmatrelvir é uma molécula inibidora de uma importante enzima do SARS-CoV-2. Com isso, o medicamento impede que o vírus se prolifere, tendo, assim, uma potente atividade contra o vírus da Covid-19 e outros coronavírus.

Já o ritonavir, por sua vez, inibe a ação de uma enzima que degrada o nirmatrelvir. Com isso, colabora para que o nirmatrelvir fique por mais tempo disponível na corrente sanguínea, o que potencializa a sua ação.