Um homem de 25 anos e o filho dele, 5 anos, sofreram queimaduras de terceiro grau após uma bateria reserva do carro onde estavam explodir na noite desta quarta-feira (3), em Jataí, a 322 Km de Goiânia. Segundo a mãe, Kamylla Pamplona, o marido e o filho estavam na fila do posto de gasolina quando uma ferramenta caiu e provocou a explosão.

“Eles estavam na fila do posto de gasolina e tinham umas ferramentas do serviço do meu marido no banco de trás e no chão tinha uma bateria reserva para caso o carro parasse de funcionar. Então, essas ferramentas de ferro caíram na bateria, o que provocou um curto-circuito e a bateria estourou”, disse.

Guilherme dos Santos Pamplona estava de joelho no banco do passageiro e abraçado nas contas do assento. Douglas Pamplona Lima, de 25 anos, estava no lugar do motorista. “Como meu filho estava abraçado no banco, ele queimou mais os braços porque a bateria estava debaixo do assento dele”, afirmou.

Os dois precisaram ser trazidos para o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), onde estão internados. De acordo com o boletim médico da unidade, o estado do pai é regular e do filho é mais grave e, por isso, está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ambos estão conscientes e respirando espontaneamente.

“O pai dele está bem, fez a raspagem ontem e não corre riscos. O Guilherme está bem, mas por ele ter queimado mais os braços, está na UTI. Mas ele está respondendo normal, conversando e respirando normalmente. Ele não corre risco de vida mais, está se recuperando super bem”, comemorou Kamylla.

Ajuda

A mãe revela que ela e o marido são trabalhadores autônomos e ficarão um tempo sem poder trabalhar. Por isso, eles fizeram uma vaquinha virtual e já conseguiram arrecadar mais de R$ 5 mil, mas Kamylla ainda pede ajuda para pagar as contas de casa e a alimentação na casa do tio aqui em Goiânia.

“O dinheiro que a gente arrecadar é para pagar os remédios dos dois, que os médicos já deixaram cientes que são caros. Mas a gente também precisa de recursos aqui em Goiânia para ir para o hospital e para a gente comer. Estamos eu, minha mãe e minha sogra na casa de um tio meu”, explica.

A Vakinha através da internet já está fechada, mas Kamylla disponibiliza o telefone pessoal (64) 99963-4213 para quem quiser ajudar a família e a chave pix santoskamylla474@gmail.com para as pessoas doarem. “Qualquer valor já ajuda a gente nesse momento”, finaliza.

Leia também:

- Psicóloga é morta a tiros em Catalão

- Homem é preso suspeito de fingir ser advogado para visitar filho na CPP