O Colégio Estadual Ismael Silva de Jesus, no Bairro da Vitória, Região Noroeste de Goiânia, foi desocupado na manhã desta segunda-feira (25) em uma situação de conflito que teria envolvendo manifestantes que estavam na unidade ocupada e pais que eram contra a permanência da escola fechada para as aulas. Há denúncia dos manifestantes de que no grupo de pais havia policiais à paisana, mas o governo nega. Manifestantes também afirmam que foram agredidos por policiais militares. O colégio estava ocupado desde o dia 17 de dezembro.

O governo diz que ficou sabendo da desocupação pela manhã, após ela ocorrer, e que soube que o Conselho Tutelar havia dado apoio a um grupo de 10 pais que queriam a retomada das aulas na unidade. O ano letivo na rede estadual começou no dia 20. Já os manifestantes afirmam que a PM invadiu a escola sem mandado da Justiça e com violência expulsou os ocupantes. A reportagem chegou ao local após o momento da desocupação e constatou a presença de policiais à paisana dentro da escola.

Nas redes sociais, manifestantes relatam abusos cometidos pela Polícia Militar e agressões sofridas por estudantes. Ainda segundo os manifestantes, dois deles foram atropelados durante o conflito pela manhã. Ambos são apoiadores do movimento e não estudam na unidade. Um deles quebrou a perna e se encontra internado no Hospital de Urgências Otávio Lage (Hugol).

A assessoria da Secretaria de Segurança Pública e Administração Prisional (SSPAP) nega excessos e diz que a PM foi convocada para atender uma situação de confusão na escola, mas que não se envolveu na desocupação. Ainda segundo a assessoria, um dos jovens que foi atropelado se colocou na frente de um carro de som em movimento.

A Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esportes (Seduce) afirma que ficou sabendo apenas agora de manhã da ação dos pais e do Conselho Tutelar e que já está no local para fazer uma avaliação sobre a situação da unidade. Ainda segundo a Seduce, existe a possibilidade de as aulas serem retomadas ainda hoje à tarde, mas vai depender dessa vistoria e de uma decisão administrativa.