Goiás terá mais doze pedágios em rodovias federais

Ao menos mais três rodovias federais em Goiás deverão ser concedidas à iniciativa privada até o fim de 2023, de acordo com o cronograma apresentado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os estudos de viabilidade para passar à iniciativa privada a administração das BRs 060, entre Goiânia e Rio Verde, 452, entre Rio Verde e Itumbiara, e 364, entre Rio Verde e o estado do Mato Grosso, já foram finalizados e abertos para consulta pública na última semana de dezembro de 2021. O projeto aumenta em 12 o número de praças de pedágios em território goiano.

Atualmente, o Estado de Goiás é território para sete praças de pedágio em rodovias federais. O maior número está na BR-153/060, de concessão da Triunfo Concebra, e que cobra dos motoristas a passagem em quatro locais entre as divisas com o Distrito Federal e com Minas Gerais. A Via040, concessionária da BR-040, possui uma praça de pedágio e a EcoRodovias, que tem a concessão da BR-050, tem outros dois pontos de cobrança. Além disso, neste semestre há a previsão de mais sete praças, sendo cinco na BR-153, um na BR-080 e um na BR-414, todos da EcoRodovias, que venceu licitação em outubro passado para a concessão do trecho entre Anápolis e Aliança do Norte (TO).

Ação questiona valor da venda de Hospital do Servidor Público

Representantes sindicais dos servidores públicos entraram com um mandado de segurança para tentar reverter a venda do Hospital do Servidor Público, no Parque Acalanto, em Goiânia. A unidade de saúde pertencia ao Instituto de Assistência dos Servidores Públicos de Goiás (Ipasgo) e foi comprada pelo estado por R$ 128 milhões na última quinta-feira (30). O valor de venda do hospital é o principal questionamento do grupo. 

Inicialmente, o valor estimado era de R$ 150 milhões. O titular da Secretaria de Estado de Saúde de Goiás (SES-GO), Ismael Alexandrino, chegou a assinar um artigo de opinião no POPULAR, no dia 3 de dezembro, no qual o preço estimado é mencionado.
Porém, o hospital acabou sendo adquirido por R$ 22 milhões a menos. “Queremos uma explicação para esta diferença de valor. Como um comprador fala de um valor maior e vendedor oferece um menor?”, diz Bia de Lima, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego).

Rogério Cruz deve definir novo líder só em fevereiro

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), deve tomar decisão sobre seu novo líder na Câmara Municipal apenas em fevereiro, quando a Casa retoma as sessões ordinárias. Conforme adiantado pelo Giro, o vereador Sandes Júnior (PP) - que ocupava o posto desde o início do mandato de Cruz – acertou com chefe do Executivo o fim de sua atuação no cargo, que foi entregue oficialmente no sábado (1º). À coluna, Sandes justificou que pretende disputar a eleição deste ano e não terá tempo para se dedicar às articulações políticas entre Paço e Câmara.

Nos bastidores, a informação é de que o nome do novo líder ainda foi pouco discutido, por causa do recesso de fim de ano e do debate em torno do Plano Diretor. Os vereadores citados como prováveis candidatos ao cargo são Leandro Sena (Republicanos), Léo José (PTB) e Sabrina Garcêz (PSD).