Os donos do cinema do Banana Shopping, Adriano Oliveira Santos e Gerson Santos Da Silva, foram indiciados por incêndio culposo, quando não há a intenção de causar o resultado. A investigação considerou responsabilidade dos empresários porque eles não haviam solicitado as inspeções para elaboração do certificado de conformidade.

O relatório da investigação foi encaminhado para o Ministério Público apontando que foram comprovadas autoria, materialidade delitiva e as circunstâncias do caso. A reportagem não conseguiu contato com os empresários e suas defesas e o espaço segue aberto para posicionamento.

O inquérito assinado pela delegada Jocelaine Braz Batista lista os detalhes da ocorrência, registrada em 4 de abril, por volta das 16 horas. Os bombeiros tentaram usar dois hidrantes do local, sem sucesso porque não saía água das válvulas. Por conta desta situação, o trabalho sofreu atraso no combate às chamas e os militares içaram uma mangueira para o trabalho. Os bombeiros precisaram de ajuda de outras equipes e veículos.

O incêndio só foi extinto por volta das 21h, após 5h de combate. De acordo com o relatório do inquérito, o alarme sonoro soou depois das 21 horas, quando o incêndio já havia sido encerrado. Quatro das cinco salas de cinema foram afetadas. O restante do shopping não foi atingido e não houve vítimas.

Leia também:
Confira fotos do incêndio que atingiu shopping de Goiânia 

Comerciantes contam perdas após incêndio em shopping, em Goiânia 

Incêndio em shopping de Goiânia se concentrou em quatro salas de cinema 

Depoimento

Em depoimento, um dos responsáveis pelo cinema informou que não possuíam seguro do empreendimento e que no dia do fato estava no local. Informado da fumaça, teria ido imediatamente ver o que estava acontecendo, mas não viram nada e acreditavam ser algo fora do prédio. Depois uma pessoa o chamou e pediu que fosse rápido e levasse extintor.

Ele e o sócio foram ao local com extintores, mas as chamas se alastraram rapidamente. Ele saiu do local, mas mesmo assim foi queimado e fraturou o pé em uma queda que sofreu. Outro sócio informou que no local haviam câmeras, mas sem funcionamento naquela data. Os donos informaram que o cinema funcionava há vinte anos, tinha alvará de funcionamento, e no dia 15/03/2022,saiu o Certificado de Conformidade, expedido pelos bombeiros, referente a todo o shopping.

Os peritos informaram no laudo encaminhado para a Polícia Civil que, apesar de não ter sido possível apurar as causas do incêndio, ficou claro que alguns fatores proporcionaram o avanço das chamas e sua rápida propagação. Entre eles, a quantidade de carga combustível, comunicação entre as salas de cinema proporcionada pela sala de projeções e falha do sistema hidráulico de combate a incêndio.