O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás (Ipasgo) pagou pelo uso de salas de tratamento especializado quimioterápico que não eram necessárias, segundo as investigações da Operação Morfina. A reportagem do POPULAR teve acesso a 22 demonstrativos de materiais e medicamentos do Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (Ingoh), que é credencia...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários