A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) publicou nesta sexta-feira (7) uma nota de repúdio contra declarações do presidente Jair Bolsonaro (PL). A entidade reafirma que as vacinas contra Covid-19 são seguras para crianças e refuta questionamentos de Bolsonaro sobre a necessidade da imunização.

Na última quinta-feira (6), Bolsonaro afirmou desconhecer a ocorrência de mortes em crianças infectadas por Covid-19. O chefe do Executivo também voltou a criticar a decisão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de aprovar a vacinação para a faixa etária de 5 a 11 anos.

“A Anvisa, lamentavelmente, aprovou a vacina para crianças entre 5 e 11 anos de idade. A minha opinião quero dar. A minha filha de 11 anos não será vacinada”, disse.Bolsonaro ainda fez perguntas sobre o interesse da agência e disse que há “pessoas taradas por vacina”. Sem apresentar evidências científicas, afirmou que os imunizantes podem causar efeitos colaterais nos próximos anos.


Repúdio

No texto divulgado hoje, a SBIm diz que o discurso do presidente pode causar hospitalizações, mortes e sofrimento evitáveis. “Ao deturpar informações apresentadas por renomados cientistas na audiência pública, menosprezar as sérias complicações da doença na população infantil — ignorando centenas de óbitos — e criar artifícios para adiar o início da vacinação, o presidente cria um desnecessário clima de medo, que pode motivar inúmeros pais ou responsáveis a não levarem suas crianças às salas de vacinação”, diz a SBIm.

Levantando dados do Ministério da Saúde (MS), a entidade afirma que a Covid-19 está entre as 10 principais causas de morte de crianças de 5 a 11 anos, e que, desde o início da pandemia, também segundo números da pasta, aconteceram na faixa etária 6.191 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave e 308 por Covid-19.

“Entre crianças e adolescentes, foram 1.412 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM), que causaram hospitalizações e 85 mortes. A taxa de letalidade, 6%, é cinco vezes superior à relatada nos Estados Unidos, por exemplo”, diz o texto.

A SBIm lembra, ainda, que o próprio MS entende que a vacinação dessa faixa etária é recomendada e segura, razão pela qual já definiu a vacinação adquiriu doses da formulação infantil.

“A Sociedade Brasileira de Imunizações entende que nenhuma morte de crianças é negligenciável. É inadmissível testemunhar crianças serem hospitalizadas e falecerem por doenças preveníveis por vacinas. A todos que estão com receio, transmitimos uma mensagem tranquilizadora. A vacinação de crianças entre 5 e 11 anos é segura, eficaz e salvará vidas da mesma forma que a vacinação de adultos e adolescentes vem salvando”, conclui a nota.

Leia na íntegra o texto da SBIm:
 

"Nota de repúdio - 07/01/2022

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), mais uma vez, se vê obrigada a repudiar declarações do Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro. Nesta quinta-feira, 06 de janeiro de 2022, o mandatário voltou a se posicionar publicamente contra a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19.

Ao deturpar informações apresentadas por renomados cientistas na audiência pública, menosprezar as sérias complicações da doença na população infantil — ignorando centenas de óbitos — e criar artifícios para adiar o início da vacinação, o presidente cria um desnecessário clima de medo, que pode motivar inúmeros pais ou responsáveis a não levarem suas crianças às salas de vacinação. Em outras palavras, o discurso pode causar hospitalizações, mortes e sofrimento evitáveis.

Os fatos

• De acordo com o Ministério da Saúde, a Covid-19 está entre as 10 principais causas de morte de crianças de 5 a 11 anos;

• Desde o início da pandemia, também segundo números da pasta, aconteceram na faixa etária 6.191 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (taxa de incidência de 30,1/100 mil habitantes) e 308 óbitos (taxa de incidência de 1,54/100 mil habitantes) por COVID-19;

• Entre crianças e adolescentes, foram 1.412 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM), que causaram hospitalizações e 85 mortes. A taxa de letalidade, 6%, é cinco vezes superior à relatada nos Estados Unidos, por exemplo;

• A Anvisa, assim como vários órgãos regulatórios de outros países, licenciou a vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos após cuidadosa avaliação dos dados de eficácia e segurança do estudo clínico;

• O próprio Ministério da Saúde entende que a vacinação dessa faixa etária é recomendada e segura, razão pela qual já definiu a vacinação adquiriu doses da formulação infantil;

• Diversas sociedades médicas brasileiras, baseadas em evidências científicas e nas experiências internacionais, se posicionaram a favor da vacinação de crianças contra a covid-19.

A Sociedade Brasileira de Imunizações entende que nenhuma morte de crianças é negligenciável. É inadmissível testemunhar crianças serem hospitalizadas e falecerem por doenças preveníveis por vacinas. A todos que estão com receio, transmitimos uma mensagem tranquilizadora. A vacinação de crianças entre 5 e 11 anos é segura, eficaz e salvará vidas da mesma forma que a vacinação de adultos e adolescentes vem salvando.

Esperemos vocês nos postos de vacinação."