Os estudantes e professores da Universidade Federal de Goiás (UFG) têm mais um motivo para se orgulhar de fazer parte da instituição, visto que ela está presente na lista das melhores universidades do mundo. O QS World University Ranking 2023, divulgado nesta semana, avaliou diversos critérios e colocou a UFG na 1.201ª posição no ranking mundial e na 123ª colocação na América Latina.

Entre os critérios de classificação, a instituição goiana se destacou pela participação na rede internacional de pesquisa, com nota igual a 26.7, pelo número de estudantes docentes, nota 7.8, e pela influência dela em citações de outras faculdades, nota 4.4. Também foi avaliada pela qualidade de ensino e publicações, empregabilidade dos ex-alunos e pelo reconhecimento dos professores.

Infelizmente, a QS Top Universities não divulgou a pontuação geral da UFG, mas destacou no site que a instituição tem um Centro Integrado de Aprendizagem em Rede (CIAR), que trata de extensão online, graduação e pós-graduação, o Centro de Idiomas, a Rádio e TV da universidade e “uma pluralidade de laboratórios em diversas áreas”.

A reitora da Universidade, Angelita Pereira de Lima, afirma que a UFG está entre as melhores em um universo de mais de 10 mil universidades, que, segundo ela, muitas são seculares, “enquanto a UFG tem só 61 anos”. Além disso, fala que o rankeamento contribui para mostrar o trabalho desenvolvido pela instituição e que também dá parâmetros sobre o que “está bom e o que precisa ser aperfeiçoado”.

“A UFG tem a capacidade de atrair jovens cientistas devido ser uma universidade aberta à pesquisa e que estimula o conhecimento.  Apesar dos cortes de gastos orçamentários do governo, investimos na manutenção de laboratórios, o que mantém ativa a pesquisa na universidade. Somos uma universidade inclusiva e que inviste nos alunos e professores para mantê-los na instituição”, afirma.

Além da UFG, outras 33 instituições brasileiras estão no ranking, a maioria delas é pública, exceto as Pontifícias Universidades Católicas (PUCs) do Rio, São Paulo, Campinas, Paraná, Rio Grande do Sul e Minas, além da Mackenzie. A melhor colocada é a Universidade de São Paulo (USP), no 115º lugar, e o topo da lista é liderado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos.

Leia também:

- Instituições Federais de Ensino Superior de Goiás se manifestam contra bloqueio de recursos

- Reitora da UFG sobre cobrança: "É um golpe no papel estratégico das universidades"