Após uma série de adiamentos, o júri popular de Maurício Sampaio e de outros quatro acusados de envolvimento no homicídio do jornalista Valério Luiz, em Goiânia, está previsto para acontecer nesta segunda (13). O advogado Valério Luiz Filho, filho da vítima, diz estar confiante de que o julgamento finalmente ocorra, após defesa conseguir adiá-lo por meio de estratégias "que não são processuais".

No entanto, Valério afirma que "tudo tem sido uma surpresa", no que se refere ao júri. "Estão dispostos a correr altos riscos para ganhar mais tempo e não serem julgados. Mas espero que a Justiça exerça, hoje, um pulso firme para impedir quaisquer tentativa de manobras", disse o advogado, ao chegar no Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) nesta manhã para o júri.

O último adiamento do julgamento dos acusados ocorreu no dia 2 de maio, após a defesa de Sampaio abandonar o Plenário. Os advogados chegaram a ser multados, mas a Justiça suspendeu a multa. A expectativa é que o julgamento possa durar até quatro dias, uma vez que 30 testemunhas serão ouvidas no caso - 25 dos réus e 5 da acusação.

Os réus são:

- Maurício Sampaio, apontado como mandante;

- Urbano de Carvalho Malta, acusado de contratar o policial militar Ademá Figueiredo para cometer o homicídio contra o radialista;

- Ademá Figueiredo Aguiar Filho, apontado como autor dos disparos que mataram Valério;

- Marcus Vinícius Pereira Xavier, que teria ajudado os demais a planejar o homicídio do radialista;

- Djalma Gomes da Silva, que teria ajudado no planejamento do assassinato e também atrapalhado as investigações.

Leia também:

Justiça nega adiamento do júri do caso Valério Luiz

Defesa de Maurício Sampaio diz que não vai a júri no dia 13