Em um cenário de alta no número de produção de cerveja no Brasil, aumento no cultivo de cevada, um paladar mais exigente do consumidor e uma concorrência mais ampla e hiperlocal (o Brasil chegou a um total de 1.383 cervejarias registradas no Mapa em 2020), o grupo Petrópolis anunciou uma novidade ao seu portfólio: "Itaipava 100% Malte".

De acordo com a cervejaria, a receita leva exclusivamente água, lúpulo e maltes provenientes da cevada.

Características
No estilo American Lager, a cerveja tem uma coloração amarelo ouro, límpida e cristalina. O aroma é maltado e de cereais, e o sabor tem um toque frutado da fermentação, que passa a famosa sensação de refrescância.

A bebida tem o teor alcóolico de 4,8%. O rótulo harmoniza com carnes vermelhas, aves, peixes, castanhas, com a culinária japonesa e comidas de boteco, garante a empresa.

De acordo com o grupo, o novo nome se conecta com o conceito de Itaipava de ser uma cerveja 100% verão, ou seja, vibrante, intensa e marcante. O lançamento tem o conceito “Tudo que você sempre quis” e a novidade poderá ser encontrada em todas as regiões do Brasil até dezembro.

Segundo a estratégia de marketing do grupo Petrópolis, as novas embalagens - a cor dourada - representa a intensidade do puro malte e a vibração da marca. Ela estará disponível para o consumidor em uma linha completa de embalagens: retornável de 1 litro, 600 ml e 300 ml, descartáveis de 269ml, 350ml (sleek) e 473 ml, além de long neck. Para este lançamento, as embalagens 350ml (sleek), 473ml e 600ml retornável já estarão disponíveis a partir de novembro. A expectativa é que, até o próximo ano, a Itaipava 100% Malte conquiste um espaço significativo no mercado de puro malte. 

Consumo e produção de cevada
Em 2021, o Ministério da Agricultura e Pecuária estima uma produção no Brasil de 424,1 mil toneladas de cevada, matéria-prima do malte, fonte essencial de açúcares fermentáveis.  O pesquisador em Genética e Melhoramento (culturas anuais) da Embrapa Trigo, Aloísio Vilarinho, explica que a demanda tem aumentado nos últimos anos em função de uma busca maior por malte, atualmente em torno de 1,6 milhão de tonelada.

O país ainda estaria importando em torno de 68% desse volume demandado e produzindo cerca de 32% da demanda nacional, levando em conta que tenha sido importado o mesmo volume de 2019 em 2020.