Já são quatro jogos sem vitórias no Campeonato Brasileiro, com apenas três pontos conquistados nos últimos 12 disputados, o que complica a vida do Atlético-MG na disputa pelo título. Com o empate por 0 a 0 com o Ceará, nesta quarta-feira (15), no Castelão, pela 12ª rodada, o time mineiro pode ver o Palmeiras abrir sete pontos de vantagem nesta quinta-feira (16), quando enfrenta o Atlético-GO, no Allianz Parque. O que só aumenta a pressão sobre o técnico Turco Mohamed.

Bastante questionado nos últimos, pela falta de resultados, pela queda de desempenho da equipe e pela falta de capacidade de mudar a situação, o treinador atleticano montou uma equipe para não perder em Fortaleza. Nesse sentido, pouco o Ceará criou, mas vale o mesmo para o Atlético-MG. Turco Mohamed colocou o time para jogar na retranca diante do pior mandante do Campeonato Brasileiro, já que o Ceará completou cinco partidas dentro de casa e ainda não conseguiu vencer.

Leia também:
+ Palmeiras x Atlético-GO: Dragão desafia líder
+ Veja a tabela do Brasileirão

O futebol cada vez mais pobre apresentado pelo Atlético-MG preocupa a torcida e a direção do clube, já que a partir da próxima semana começam os mata-matas da Copa do Brasil e da Copa do Libertadores. Daqui uma semana o clube mineiro tem o Flamengo, pelas oitavas de final do torneio nacional, e na semana seguinte é a vez de visitar o Emelec, no Equador, pelas oitavas da Libertadores. Com a bola que o Atlético-MG mostrou diante de Fluminense, Santos e Ceará, não tem existe otimismo entre os atleticanos.

Mas antes de pensar nas copas, o Atlético-MG tem um clássico nacional pela frente. No domingo (19), o time mineiro recebe o Flamengo. Já o Ceará, na próxima rodada do Brasileiro, visita o Cuiabá.

Uma das características do Atlético-MG é ter posse de bola e tentar controlar o jogo, mas o momento vivido pela equipe fez com que o técnico Turco Mohamed mudasse completamente a maneira de jogar do time. Os mineiros entregaram a bola para o Ceará, sem nenhum constrangimento, e jogaram pelo contra-ataque. Muito pouco para um clube considerado entre os fortes do país e do continente.

Titular apenas na primeira partida da temporada, em janeiro, o volante Guilherme Castilho foi a surpresa de Turco Mohamed diante do Ceará. Mas com pouco minutos em campo na temporada, foram apenas oito jogos nos 34 disputados até o momento, Castilho sentiu bastante a falta de ritmo de jogo. O camisa 23 do time mineiro parecia perdido em alguns momentos.

Autor de cinco gols nas últimas quatro rodadas, o atacante Stiven Mendonza era a grande preocupação para a defesa do Atlético-MG. Mas o jogador colombiano não ficou muito tempo em campo, já que sofreu uma lesão muscular e foi substituído ainda na primeira etapa.

O estado do gramado do Castelão fez com que o jogo entre Ceará e Atlético-MG ficasse ainda pior. Irregular e seco, o estado do campo dificultou bastante o jogo pelo chão das duas equipes. A bola estava viva demais, o que atrapalhou os domínios, passes e finalizações dos jogadores.

Contra o Avaí, Otávio errou um recuo para o goleiro Everson e entregou um gol para a equipe cearense. O volante atleticano errou novamente diante do Ceará, mas dessa vez o zagueiro Junior Alonso chegou antes do atacante adversário e evitou o pior.

FICHA TÉCNICA

CEARÁ: Vinicius Machado; Nino Paraíba, Messias, Luis Otávio e Victor Luís; Fernando Sobral, Richardson, Richard (Zé Roberto) e Vina; Medonza (Erick) e Cléber (Matheus Peixoto). T.: Marquinhos Santos.

ATLÉTICO-MG: Everson, Mariano, Alonso, Nathan Silva e Arana; Otávio, Guilherme Castilho (Vargas), Rubens (Calebe) e Nacho Fernández (Ademir); Keno (Eduardo Sasha) e Hulk. T.: Turco Mohamed.

Estádio: Arena Castelão, em Fortaleza (CE)

Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (Fifa/SP)

Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa/SP) e Fabrini Bevilaqua Costa (Fifa/SP)

VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)

Cartões amarelos: Richard e Fernando Sobral (CEA); Rubens, Alonso e Calebe (ATL)