Após o encerramento da 29ª Caminhada Ecológica neste sábado (23), com o mergulho nas águas do Rio Araguaia, em Aruanã, dos 21 atletas - 14 homens e sete mulheres -, atletas e organizadores festejaram a conclusão de uma desafiadora edição e fizeram balanço do que foi feito ao longo de cinco dias, desde a terça-feira (19), após a largada na Basílica de Trindade para 310 km de percurso. A próxima edição, a 30ª, será especial e também começa a ser planejada para que a data seja celebrada de forma merecida e marcante.

A intenção é reforçar a essência de uma iniciativa pioneira, que une esporte, ecologia, turismo religioso, ecoturismo, ciência e cultura. Nesta temporada (2022), o lema foi “Por um Cerrado Vivo”.

O encerramento teve a presença do governador Ronaldo Caiado, pela segunda vez, como em 2019. Além dele, o prefeito de Aruanã Hermano Carvalho e o secretário de Esportes e ex-prefeito Paulo Valério da Silva, receberam prefeitos de municípios que também compõem o roteiro da Caminhada Ecológica, como Marden Júnior (Trindade) e Carlos Alberto Andrade (Goianira), e outras autoridades políticas, como Zacharias Calil (deputado federal) e Henderson Rodrigues (secretário estadual de Esporte e Lazer).

Ronaldo Caiado caminhou ao lado deles e novamente mergulhou no Araguaia. “A Caminhada Ecológica significa a defesa da conservação da natureza, o respeito à vida e ao desenvolvimento sustentável”, disse o governador de Goiás.

Leia também
Atletas mantém marca positiva na Caminhada Ecológica
Em 24 horas, três embarcações são resgatadas pelos bombeiros no Araguaia

Para o coordenador técnico da Caminhada Ecológica, Antônio Celso Fonseca, a edição de 2022 teve como destaque, no percurso, o alto rendimento físico e a preparação da maioria dos atletas. Nas últimas três manhãs (quinta, sexta e sábado), o grupo conseguiu fechar os percursos (na média, de 40 km) reduzindo o tempo previsto em 40 minutos. Por isso, os atletas puderam descansar mais.

Alguns estão nos grupos de corridas, buscam orientação de profissionais ligados ao esporte e disputam regularmente provas de rua. Isso também tem sido ressaltado pelos organizadores do evento, aliado ao engajamento no projeto da Caminhada. “Este grupo (2022) estava muito bem preparado. Fez isso com antecedência”, disse Antônio Celso, citando a presença inédita de sete mulheres, entre as quais três estreantes: Euzimar Silvania da Silva, Lilian da Silva e Lucilene Reges.

Antônio Celso planeja a próxima edição e tem ideias que pretende pôr em prática em 2023. Entre elas, estão a realização de um dia de ações do projeto em cada município que compõe o roteiro da Caminhada Ecológica (Trindade, Goianira, Brazabrantes, Caturaí, Inhumas, Itauçu, Itaberaí, Cidade de Goiás, Faina, Araguapaz e Aruanã), o retorno dos concursos de redação, desenho e produção de vídeos ligados à ecologia nas escolas dos 11 municípios, o convite a todos os atletas que participaram das edições passadas para que possam estar na largada (em Trindade) e de 29 deles (um de cada edição, vestidos com o uniforme da época) para estar entre os membros na chegada a Aruanã.

O coordenador técnico também planeja a criação de uma agenda de eventos ligados ao projeto na próxima temporada e diz que haverá “uma surpresa” em termos de logística e conforto dos atletas. Está prevista a inauguração do monumento da Caminhada Ecológica em Trindade e a criação de espaço para guardar o Troféu Jaburu na Casa de Cultura, local frequentado por milhares de turistas que visitam a Cidade Santa.

Para os atletas, a avaliação de 2022 é positiva. Estreante, Carlos de Souza Santana não conhecia a Rota do Araguaia. Ficou surpreso e disse que se inspirou no esforço de cada atleta que participou para completar o percurso. “Quero continuar treinando forte para estar em 2023”, disse Carlos, que elogiou a dedicação das equipes de apoio. Para ele, é preciso “consciência de todos para a preservação da natureza”.

Fernando Rodrigues estreou há três anos e voltou agora. “A segunda caminhada é diferente da primeira. Você vai aprendendo. Eu me preparei durante seis meses e me senti confortável neste ano. Sofri um pouco na estreia (2019) e aprendi muito”, definiu Fernando Rodrigues, carteiro e corredor de rua que gosta de interagir com os outros atletas.

Atleta e mãe

Suedina Gouvêa Assis tem experiência na Caminhada Ecológica, sempre procura organizar treinos do grupo, conquista bons resultados nas corridas de rua e se caracteriza pela resistência física. No encerramento da 29ª edição, em Aruanã, ela chorou duplamente: de emoção pela conclusão e por não poder ficar algumas horas com a filha, Shayene Assis.

Integrante de um projeto de intercâmbio internacional para aperfeiçoar o (idioma) inglês na Irlanda, Shayene tinha viagem prevista para domingo (24), às 8h45. A ideia da mãe era deixar Aruanã após a chegada para aproveitar alguns instantes com Shayene, mas o voo da filha foi antecipado para sábado (23), às 14h15.

Neste momento, Suedina estava chegando ao ponto do Bambu (próximo a Aruanã) para fazer o último aquecimento e fechar os 20km, até Aruanã. Por isso, não conteve o choro. A filha, que atua no setor de eventos esportivos, ficará dois anos no intercâmbio e pode também se aperfeiçoar nesta área, além do idioma. “Creio que dificilmente ela voltará após os dois anos, pois está fazendo o que gosta”, previu a mãe, que dedicou a presença na 29ª edição à filha.

Já o atleta Esmeraldo Filho, de Trindade e veterano no projeto, cumpriu a promessa de entrar no Rio Araguaia com a imagem do Divino Pai Eterno para homenagear a mãe, Mirtes Pereira da Silva, que morreu em junho e era devota do Divino Pai Eterno. O filho praticamente não teve como vê-la, pois teve Covid-19 após a seletiva.

A Caminhada Ecológica é um projeto que tem realização do POPULAR e do Sesc. O patrocínio é da Unimed Goiânia. Jeep Pinauto e Instituto PanAmericano da Visão apoiam o projeto. A PUC Goiás faz o apoio científico, e o evento tem ainda apoio logístico do Corpo de Bombeiros e da Política Militar de Goiás. A Caminhada Ecológica também tem parceria com Água Nativa e ProBiótica.