O meia Marlone, de 30 anos, se mostrou otimista na chegada ao Vila Nova, que é lanterna da Série B do Campeonato Brasileiro, com 11 pontos na luta contra o rebaixamento à Série C. O jogador não joga desde outubro de 2021, quando fez seu último jogo pelo Brusque, e corre contra o tempo para se adaptar aos treinos e ao ritmo de disputa da Segundona.

"O time tem muito a crescer. O futebol é feito de resultado, não tem jeito. Sabemos que, em muitos jogos, não faltaram luta, entrega. Faltou a bola entrar. Toda fase passa, tanto a boa quanto a ruim. Tenho certeza de que vamos sair dessa situação", contou o meia, ex-Goiás, Corinthians e Sport, entre outros clubes.

Ao acertar com o Vila Nova, o meia citou que a tradição do clube e a presença de jogadores experientes, como Ralf e Wagner, pesaram na decisão de fechar o contrato. "Pelo grupo, pelo dia a dia do vestiário, dos nossos treinos, dá para ver que as pessoas são profisisonais, todo mundo está se dedicando", descreveu.

Leia também:
+ Atacante que atuou por 14 minutos rescinde com o Vila Nova
+ Zagueiro volta aos treinos no Tigre

A última vez que Marlone disputou uma temporada com mais de 30 jogos foi em 2019, pelo Goiás. Depois disso, foi para a Coreia do Sul jogar no Suwon. Foram 17 jogos no país, em 2020. Retornou no mesmo ano e jogou seis partidas em 2021 pelo Brusque.

O jogador não atuou mais e não jogou por qualquer clube na atual temporada. É por isso, inclusive, que ele pode ser inscrito a qualquer momento na competição, pois estava sem clube no fechamento da janela de transferências do primeiro semestre. Marlone espera retonar a sequência de jogos na carreira jogando pelo Vila Nova.

"Para mim, é momento de gratidão um momento feliz, estou vindo muito empolgado. Espero dar uma resposta dentro de campo. Estava com prioridade de esperar situação para fora (do País). Era concreta e o futebol às vezes tem isso nas negociações, está para dar certo e não dá. Foquei também na família, dar uma atenção para a família. Estava treinando, não estava parado em casa. Tem coisas que fogem do nosso controle. Fui para o Brusque com mentalidade de estar sempre dentro de campo, mas acabou não acontecendo  como planejei. Agora, quero voltar com a sequência, com meu futebol e ajudar com o que for preciso", disse o meia.

Em campo, Marlone falou que prefere jogar como meia armador, próximo da área, pisando na área, dando assistências e finalizando, mas admitiu que pode ajudar atuando como segundo volante também.

O Vila Nova enfrenta o Criciúma, neste sábado (25), às 11 horas, no Estádio Heriberto Hulse, em Criciúma (SC). O jogo é válido pela 14ª rodada da Série B. O Tigre não vence há oitos jogos e tem uma vitória apenas na Segundona, ainda conquistada sob o comando de Higo Magalhães, em maio, sobre o Náutico. Higo deixou o clube e substituído por Dado Cavalcanti.