De um lado, o show e a atração. De outro, o convidado. Será dessa forma que o Atlético-GO começa, na noite desta terça-feira (2), a decidir a vaga à semifinal da Copa Sul-Americana. O Dragão enfrenta o Nacional, clube que está em estado de graça por causa do retorno do ídolo e atacante Luis Suárez, no jogo que será disputado no Estádio Gran Parque Central, em Montevidéu, a capital do Uruguai.

No jogo que começa às 19h15, Luisito deve ficar no banco de reservas e será a atração. O retorno e a presença dele já serão suficientes para lotar um dos estádios mais antigos da capital uruguaia. O futebol local está movimentado por isso. Luis Suárez é página da história do país.

(Escalações, arbitragem, onde assistir e campanhas dos dois times no fim deste texto)

Já a história do Atlético-GO ganhou capítulo especial após o clube se classificar às quartas de final da Copa Sul-Americana na terceira participação no torneio. Há mais páginas a serem preenchidas pelo Dragão, na condição de protagonista ou de coadjuvante. A fase já é histórica. É clube ascendente na competição desde o ano passado, quando não se classificou para o mata-mata, mesmo terminando invicto.

O Nacional vai fazer festa para Luis Suárez, mas o Dragão vai esperar pela vez dele quando entrar em campo. Será convidado e poderá ganhar os holofotes caso consiga bom resultado sobre uma das agremiações mais tradicionais da América do Sul, ganhadora de três edições da Libertadores e que celebrou depois os títulos da Copa Intercontinental (atual Mundial Interclubes organizado pela Fifa).

Até agora, à exceção de dois jogos - derrota de virada (2 a 1) para o Antofagasta no interior do Chile na 1ª fase e revés (2 a 0) para o Olimpia, em Assunção (Paraguai) na fase anterior (oitavas de final) -, os resultados fora de casa são positivos no giro atleticano nos dois últimos anos (2021 e 2022).

O Dragão surpreendeu o Libertad (2 a 1) na capital paraguaia, no mítico Defensores del Chaco. Também não perdeu na Argentina: empatou com o Newell’s Old Boys (1 a 1 ano passado) e venceu o campeão da Sul-Americana 2020, o Defensa y Justicia, por 1 a 0. Obteve a classificação na 1ª fase ao empatar de 1 a 1 diante da LDU, do Equador, em Quito.

Leia também:
+ Conheça o Nacional-URU, adversário do Atlético-GO na Sula
+ Atlético-GO renova com goleiro Ronaldo até 2025

Luis Suárez é um ídolo no futebol uruguaio. O Nacional é campeão recente do Torneio Intermédio. As duas situações se misturam na noite desta terça-feira (2), mas o Atlético-GO quer mostrar que tem brilho próprio e pode chegar de mansinho, sem pedir licença e se divertindo na festa local. Afinal, não pagará nada pelo convite para jogar na capital onde se disputou a primeira Copa do Mundo (1930).

A equipe poderá dar boas-vindas ao recordista de gols pela seleção Celeste. O país vizinho sonha com a retomada do protagonismo que clubes locais tiveram no continente nas décadas passadas. A última vez que o futebol uruguaio decidiu título continental foi há 11 anos - em 2011, o Peñarol perdeu a decisão da Libertadores para o Santos de Neymar. As alegrias foram dadas pela seleção do Uruguai, campeã da Copa América (2011) e 4ª colocada do Mundial (2010). Nelas, Luis Suárez foi um dos protagonistas ao lado de nomes como Forlán, Loco Abreu e Lugano.

Xarás

O Dragão tem dois xarás para apresentar como atração contra os locais: o técnico e o camisa 10 de mesmo nome, no diminutivo - Jorginho. O primeiro deles é campeão mundial (1994) e o segundo têm muita identificação com o Atlético-GO.

Jorginho, o treinador, preferiu fazer mudanças no time para priorizar a Série A do Brasileiro, em que corre sério risco de rebaixamento. Em relação à equipe que bateu o Corinthians (2 a 0, na Copa do Brasil) e foi goleada pelo Flamengo (4 a 1, pelo Brasileiro), aparecem sete novidades. Permanecem somente o goleiro Ronaldo (de contrato renovado até o fim de 2025), o volante Gabriel Baralhas, o zagueiro Wanderson e Jorginho.

Nas demais posições, entram os laterais Hayner e Arthur Henrique, o zagueiro Klaus, o volante Edson Fernando e os atacantes Léo Pereira, Diego Churín e Luiz Fernando. É a chance de serem protagonistas. Luiz Fernando foi jogador decisivo no título da Série B 2016, mas ainda não fez gol na volta ao Dragão.