O personal trainer Mayke Vieira Velasco, de 26 anos, que cresceu em Anápolis sofrendo com apelidos por ser magro, transformou as piadas em motivação e sacramentou sua vitória, profissional e pessoal, ao conquistar o primeiro lugar na 39° Edição do Campeonato Goiano de Estreantes de Musculação, Fitness e Fisiculturismo (IFBB-GO), realizado no último dia 30, em Aparecida de Goiânia.

Ao POPULAR, Mayke contou que chegou a ser menosprezado até por uma namorada, durante sua adolescência. Ele contou que trabalhava de manhã, estudava à noite e sempre gostou de Educação Física, mas frentequentemnte sofria com deboche de pessoas sobre seu corpo.

O personal trainer chegou a ser aprovado no vestibular para Administração, mas decidiu não cursar. “Eu quis fazer Educação Física porque foi o que eu sempre gostei”, disse. Antes mesmo de ingressar na graduação, aos 17 anos, o anapolino já praticava musculação, área em que decidiu se especializar.

“Durante o processo da musculação, eu acompanhava fisiculturismo. Sempre gostei de competir em tudo onde eu participava, seja futebol, handball, vôlei”, explicou. Três anos mais tarde, aos 20 anos, ele começou a praticar o fisiculturismo, que viria, em um futuro próximo, transformar sua vida profissional, financeira e emocional.

“Entrar pro esporte, pro fisiculturismo, me trouxe muitos benefícios por conta da disciplina, horários pra cumprir, comida. Isso foi agregando ao meu valor de ser humano, aprendendo a ser mais centrado nas coisas, estudar mais, buscar mais conhecimento, não chegar atrasado nos lugares, ter um bom relacionamento, dar valor nas coisas importantes na vida”, conta.

Leia também:

Jovem com deficiência visual é aprovada em musicoterapia na UFG

Desafios até a vitória

Para vencer o Campeonato Goiano de Estreantes, Mayke precisou enfrentar por uma lesão no joelho, que precisou de intervenção cirúrgica e o impossibilitou de competir em 2021. Na preparação para o Campeonato Goiano de Estreantes deste ano, Mayke ainda enfrentou a Covid-19 e duas crises seguidas de fadiga crônica.

“No meio da preparação eu peguei Covid, tive duas crises de fadiga crônica, que é quando o corpo joga um alerta de emergência porque seu corpo está muito desgastado. Você tem febre, tosse, problemas intestinais, muito estresse”, contou.

Após superar todos esses desafios, Mayke enfim conseguiu competir pela terceira vez no Campeonato de Estreantes, onde terminou com o título de overall e sagrou-se campeão da categoria. “Esse ano, com a volta do público pós-pandemia, meu pai foi me assistir, ganhei, fui muito bem, melhorou demais a questão da minha carreira”, explica.

Para este ano, o fisiculturista avalia competir na Copa Body Classic. O vencedor recebe o título de atleta profissional de fisiculturismo. No entanto, ele enfrenta dificuldades para conseguir patrocínio.

“Precisaria de mais patrocinadores, em questões financeiras, pra me ajudar. Se eu conseguir, vou tentar ir nesse campeonato. Se eu for overall, igual fui no Estreantes, eu posso me tornar um atleta profissional e estaria representando Anápolis”, disse Mayke, ressaltando que seu principal objetivo é melhorar o atendimento a seus alunos.

Atualmente, o profissional da Educação Física considera sua vida maravilhosa e disse que não pretende deixar Anápolis.

Leia também:

Mães e filhos relatam experiência de serem colegas de trabalho