Na estreia do técnico Moacir Júnior, a Aparecidense foi a Ribeirão Preto (SP) e conquistou a vitória sobre o Botafogo-SP por 2 a 0 na segunda-feira (13). Motivado pelo resultado nesta Série C do Brasileiro, o Camaleão quer ampliar a sequência vitoriosa na noite deste sábado (18), contra um dos candidatos à classificação à fase seguinte e ao acesso à Série B - o Paysandu-PA, líder da competição com 21 pontos.

A Aparecidense recebe o Papão às 19 horas, no Estádio Annibal Batista de Toledo, em Aparecida de Goiânia, onde os goleadores Marlon (sete gols, do Papão) e Alex Henrique (cinco gols pelo Camaleão), se estiverem em campo, também disputarão a ponta da artilharia do torneio nacional.

O Camaleão soma 12 pontos e pretende vencer para subir pelo menos uma posição na tabela. O representante goiano planeja ganhar o segundo jogo consecutivo, o que ainda não conseguiu na competição - ganhou do Ypiranga-RS por 2 a 0 (fora), bateu o Floresta-CE por 3 a 2 (em casa) e obteve o triunfo contra o Botafogo-SP (fora). Um bom resultado em casa, além de melhorar a colocação do Camaleão na competição, serve para distanciá-lo também do risco de rebaixamento à Série D.

“Projeto um jogo de dificuldade ainda maior, porque o líder (Paysandu) não é líder por acaso. O Márcio Fernandes (técnico) vem fazendo um grande trabalho, a equipe é experiente e tem um grau de investimento altíssimo. Mas, jogando dentro dos nossos domínios, vamos procurar fazer um jogo inteligente e buscar um bom resultado”, disse Moacir Júnior, que assumiu o comando técnico da Aparecidense no lugar de Eduardo Souza.

Sobre as possibilidades de disputar vaga à próxima fase, Moacir Júnior é cauteloso nesse início de trabalho - é a primeira vez que dirige um clube no futebol goiano. “Olha, é muito cedo para falar em sonhar. Ainda estamos muito perto de uma zona de desconforto e vamos trabalhar jogo a jogo, semana a semana, ir pontuando para sair das últimas posições. Cada ponto que você vai conseguindo, a cada rodada, vai deixando o time mais tranquilo dentro do campeonato”, acrescentou Moacir Júnior.