O Atlético-GO terá de lidar com um adversário motivado em Montevidéu. Com o combustível do retorno do ídolo Luís Suárez, o Nacional vislumbra classificação para a semifinal da Copa Sul-Americana, estágio que o clube não atinge, em âmbito continental, desde 2009, quando foi semifinalista da Copa Libertadores e terminou eliminado pelo Estudiantes-ARG.

“É um clube de peso e história inegáveis. A questão é transformar essa representatividade em boas campanhas, já que não disputa uma semifinal continental desde 2009. Até pela diferença econômica, fica difícil para os clubes uruguaios. A expectativa é de que Suárez possibilite o passo além”, analisou o jornalista Leandro Stein, do site Trivela.

No Uruguai, os torcedores do Nacional estão empolgados não só com a vinda de Luis Suárez, mas também com a chance de voltar a ver a equipe chegar perto de uma decisão sul-americana. A expectativa aumenta porque o grande rival do Nacional, o Peñarol, foi semifinalista da competição em 2021.

Leia também:

Atlético-GO prepara mudanças para enfrentar Nacional
Mensagem de Messi, ídolos e autoridades: como foi apresentação de Suárez ao Nacional

“A torcida do Nacional comprou os ingressos rapidamente. Existe a expectativa de que o clube faça uma boa Sul-Americana porque no ano anterior o Peñarol chegou nas semifinais e foi derrotado pelo Athletico-PR. Então, o Nacional precisa fazer uma boa competição e chegar em fases mais decisivas”, disse Leo Rodríguez, narrador do Star+ no Uruguai.

O Nacional é uma equipe que aposta muito em sua solidez defensiva e tem sofrido poucos gols no campeonato nacional. Além disso, tem um meio-campo qualificado e conta com a experiência do centroavante argentino Emmanuel Gigliotti, de 35 anos.

Leo Rodríguez explica que o Nacional é uma equipe bem entrosada e que o volante Felipe Carballo é o “motor do time” no meio-campo. Trezza dá velocidade pelo lado direito e Gigliotti entrega força ofensiva. “Gigliotti é um goleador experiente, com muita qualidade, mas pode ser o jogador que deixará a equipe quando Suárez entrar. Isso ainda não está definido”, apontou o narrador uruguaio.

E com Suárez?

Para Leandro Stein, a possível entrada de Luis Suárez não vai representar uma novidade tática que vá confundir a defesa do Atlético-GO. “O Nacional jogou o Torneio Intermédio e os mata-matas da Sul-Americana num 4-4-2. A questão está mais na escolha, já que o principal atacante é também o mais veterano, o Gigliotti. Os dois mais qualificados são também os mais lentos, caso o Suárez jogue com ele”, avaliou o jornalista.

A presença de Suárez no mata-mata se tornou um tema central no debate nos dias antes do encontro entre Nacional e Atlético-GO. Apesar do status que tem o atacante uruguaio no cenário mundial e na história do futebol, o Dragão pode também conseguir tirar proveito da situação que encontrará em Montevidéu. Para Leandro Stein, há como enxergar algum benefício.

“Além da atenção que o Atlético-GO está dando para a Sul-Americana, imagino que um duelo com esse apelo motive mais os jogadores. Vai ser uma vitrine maior. E o Nacional também teve seu sinal de alerta, de que as coisas não mudam de uma hora para outra. Depois da campanha impecável no Intermédio, em que só tomou um gol, perdeu no sábado para o Maldonado por 2 a 1 com o time completo”, destacou.

“Não há certeza ainda de quantos minutos ele (Suárez) vai poder jogar, mas deve começar no banco de reservas. Na minha opinião, deve jogar entre 15 e 20 minutos devido à inatividade em que se encontra. A expectativa está muito concentrada na chegada de Suárez”, comentou o uruguaio Leo Rodríguez.

CONHEÇA O NACIONAL

Nome: Clube Nacional de Futebol
Fundação: 14 de maio de 1899
Estádio: Gran Parque Central (Montevidéu), com capacidade para 34 mil pessoas
Títulos: Copa Libertadores (1971, 80, 88), Copa Intercontinental (1971, 80, 88), Copa Interamericana (1971, 88), Recopa Sul-Americana (1989), Campeonato Uruguaio (48 vezes), Torneo Intermédio (4 vezes), além de 58 torneios nacionais com outros nomes
Alguns ídolos: Luís Suárez, Hugo de Léon, Rodolfo Rodríguez, Loco Abreu, Atilio Ancheta, Rubens Sosa, Jorge Seré, José Emílio Santamaria, José Nasazzi, Julio Cesar Morales, Héctor Scarone, Luis Cubilla, Álvaro Recoba, Andrade, Atilio Garcia e o ex-goleiro brasileiro Manga (campeão das copas Libertadores e Intercontinental, em 1971, e Interamericana (1972) e tetra campeão uruguaio (1969, 70, 71 e 72)
Por que está na Sula: ficou em 3º lugar no Grupo C da Libertadores, com 7 pontos, atrás da dupla argentina Estudiantes e Vélez Sarsfield e à frente do RB Bragantino-SP. Na Sula, eliminou a Unión Santa Fé com vitórias (2 a 1 e 2 a 0)
O técnico: Pablo Repetto é uruguaio, tem 48 anos e despontou no futebol de seu país comandando o Defensor. A obra mais emblemática do técnico se deu no futebol equatoriano. Participou da ascensão do Independiente del Valle, pelo qual chegou ao vice da Libertadores de 2016. Após passagem curta pelo Oriente Médio e pelo Olimpia, do Paraguai, voltou a fazer sucesso no Equador, mas com título nacional pela LDU