De maneira dramática, depois de abrir três gols de diferença, o Atlético-GO reencontrou o caminho da vitória cinco partidas depois do último triunfo. O Dragão venceu o Defensa y Justicia (Argentina) por 3 a 2, na noite desta quarta-feira (4), no Estádio Antonio Accioly, em jogo válido pela 4ª rodada do Grupo F da Copa Sul-Americana.

O time atleticano  mantém a liderança, com nove pontos e melhor saldo de gols, disputa a classificação diretamente com a LDU (Equador), que bateu o Antofagasta por 2 a 1 e tem a mesma pontuação do time goiano.

A equipe rubro-negra havia vencido, pela última vez, o mesmo adversário argentino, no dia 12 de abril. Detalhe é que o sistema defensivo repetiu falhas cometidas antes, especialmente nas jogadas pelo alto. Marlon Freitas (pênalti), Shaylon e Gabriel Baralhas marcaram para o Atlético-GO, enquanto Fontana e Albertengo descontaram.

O Dragão volta a jogar pela Sul-Americana só no dia 17 de maio, diante do Antofagasta, em Goiânia. Antes, disputa o clássico goiano com o Goiás, domingo (8), pelo Campeonato Brasileiro, e decide vaga na Copa do Brasil com o Cuiabá, na próxima semana.

O JOGO

Os técnicos planejaram a partida decisiva de forma diferenciada. No Atlético-GO, Umberto Louzer decidiu poupar dois jogadores: Wellington Rato (fora da lista de relacionados) e Jefferson. No Defensa y Justicia, Sebastián Beccacece radicalizou e escalou, da formação titular da última partida - vitória de 2 a 1 sobre o Unión, de Santa Fé, na segunda-feira (2) -, apenas o goleiro Unsain.

Beccacece escalou dez jogadores que são opções na Copa da Liga Argentina e deixou na reserva alguns titulares, como Alexis Soto, Gutiérrez, Colombo (defensores), Walter Bou, Merentiel, Rotundi e Pizzini (meias e atacantes).

A formação alternativa do time argentino, composta por jovens atletas, deu algum trabalho ao Dragão no primeiro tempo. Camisa 10 do Atlético-GO, Jorginho havia previsto que seria uma partida difícil, pois os adversários na Copa Sul-Americana são "catimbeiros''. Assim, o Defensa y Justicia tentou apertar a marcação e sair no contra-ataque.

O Atlético-GO usou as suas armas, especialmente a valorização da posse de bola para abrir o sistema defensivo rival. Na primeira boa chance rubro-negra, Dudu bateu por cima do gol dos visitantes.

O Dragão pressionou, rodou a área do Defensa y Justicia e conseguiu um pênalti, suficiente para abrir o placar. Marlon Freitas chutou forte, o zagueiro Cardona tocou a mão na bola. Penalidade que Marlon Freitas cobrou com categoria - 1 a 0, aos 17 minutos.

O Dragão manteve o domínio do jogo, mas não ampliou o placar, enquanto o Falcão parou numa boa intervenção de Ronaldo.

Ofensivo, rápido e letal, o Atlético-GO abriu a diferença no marcador no começo do segundo tempo. Nada de permitir a reação adversária. Quando desceu ao ataque pela primeira vez, o Dragão chegou ao gol logo no primeiro minuto. Bela jogada de Shaylon, que tira a marcação, bate alto e festeja - 2 a 0.

Reabilitação encaminhada, mas que se tornaria dramática nos minutos finais, como têm sido as últimas partidas atleticanas.

Na mesma batida, a vitória foi se consolidando em um lance polêmico. Após escanteio, Gabriel Baralhas cabeceou, a bola tocou no travessão, no chão e no corpo do goleiro. Lance duvidoso em relação à bola ter entrado completamente, mas a arbitragem confirma o gol - 3 a 0 aos 9 minutos.

O Defensa y Justicia descontou na típica jogada que tem tirado o sono no clube - os cruzamentos altos. No escanteio, Fontana ganhou pelo alto, cabeceou e fez o gol de honra argentino aos 17 minutos da etapa final. Para tornar o jogo perigoso, Albertengo marcou o segundo gol do time argentino aos 40 minutos, após cruzamento com bola rolando.

FICHA TÉCNICA

Atlético-GO: Ronaldo; Dudu (Edson Fernando), Wanderson, Ramon Menezes, Arthur Henrique; Gabriel Baralhas, Marlon Freitas, Jorginho; Shaylon (Brian Montenegro), Diego Churin (Airton), Léo Pereira. Técnico: Umberto Louzer

Defensa y Justicia (ARG): Ezequiel Unsain; Hugo Silva (Duarte), Zullianni, Cardona, Matías Rodriguez (Echeverria); Altamirano, Cuello, Pieres, Hugo Fernández; Albertengo e Fontana. Técnico: Sebastián Beccacece

Local: Estádio Antonio Accioly (Goiânia-GO). Árbitro: Gustavo Tejera (URU). Assistentes: Richard Trinidade (URU) e Horacio Ferreiro (URU). Gols:Marlon Freitas (pênalti) aos 17' do 1º tempo; Shaylon a 1', Gabriel Baralhas aos 9', Fontana aos 17', Albertengo aos 40' do 2º tempo. Público: 3.707  pagantes (4.197 total). Renda: R$ 71.305,00.