O técnico do Goiás, Jair Ventura, voltou a reclamar da arbitragem após o empate por 3 a 3 com o São Paulo, no sábado (23). O treinador não aprovou a atuação do árbitro Caio Max Augusto Vieira/RN e vê falta de critério nas tomadas de decisões dos profissionais do apito. 

A principal reclamação do treinador foi do lance que gerou o pênalti marcado para o São Paulo no final do 1º tempo, que teve cobrança defendida pelo goleiro Tadeu. Na avaliação de Jair Ventura, a jogada foi similar ao possível pênalti não marcado para o Goiás na derrota de 3 a 2 para o Fluminense, em que Samuel Xavier desviou um chute de Pedro Raul com o braço.

“Hoje novamente uma situação que eu não queria falar, mas vamos falar. Foi pênalti. A bola bate na mão, mas foi pênalti no Samuel (Xavier, lateral do Fluminense) e não deram. O critério não é igual. É ruim. Equipes grandes como São Paulo e Fluminense não precisam de ajuda para marcar gols. Nós somos prejudicados de maneiras consecutivas”, afirmou Jair Ventura.

Leia também
- Em jogão de seis gols, Tadeu pega pênalti, e Goiás empata com o São Paulo
- Artilheiro vê Goiás resiliente e espera sequência de vitórias no returno

A reclamação também ocorreu por parte do atacante Pedro Raul, na saída de campo após o término do 1º tempo.

“Quanto ao pênalti, pode até ter pegado na mão, só que tem que ter critério, não pode numa quarta-feira um lance igual não ser pênalti e hoje (sábado, 23) ser, tem que ter um critério, uma resposta, senão a gente entra aqui, dá nosso melhor, e toda hora acontece a mesma coisa, é muito difícil, a gente se prepara, vem aqui, faz um p... jogo e uma hora é um critério e outra hora é outro critério, é muito difícil assim”, disparou o artilheiro Pedro Raul.

Com o empate em São Paulo, o Goiás chegou aos 22 pontos e terminou o 1º turno fora da zona de rebaixamento. O foco da equipe esmeraldina no 2º turno é de manter o crescimento de pontuação para o time buscar a permanência o quanto antes.

“Nos últimos dois anos eu participei de equipes que conseguiram se livrar. Com o Sport (em 2020) foram 41 pontos, com o Juventude (em 2021) já foi com 46. A gente não sabe como vai ser o final deste ano. O que me deixa contente é que quando eu cheguei (no Goiás), a equipe estava na zona de rebaixamento e hoje, independentemente de qualquer resultado, vamos terminar o turno fora. O primeiro objetivo foi alcançado. No segundo turno esperamos fazer da Serrinha um caldeirão para não voltar para a Série B”, completou Jair Ventura.