O Vila Nova continua o calvário nesta Série B do Brasileiro. A equipe não consegue marcar gol. Sem isso, não vence e vai aumentando o desespero na competição, em que é lanterna (11 pontos). O último ato dessa fase difícil se deu na noite desta quinta-feira (16), no Estádio Onésio Brasileiro Alvarenga (OBA). O time colorado  decepcionou de novo, ficou no empate de 0 a 0 com o Operário-PR e chega a oito jogos seguidos sem vitória - sete pela Série B e outro pela Copa do Brasil.

Na gestão do técnico Dado Cavalcanti, são quatro empates e duas derrotas. O próximo jogo será na próxima semana, no dia 25 (sábado), contra o Criciúma-SC.

Veja também:
+ Classificação e tabela da Série B

Como novidade nesta quinta-feira (16), o técnico Dado Cavalcanti apostou no zagueiro Eduardo Doma, de 23 anos e 1,87m. Estreante, Doma ganhou a vaga do instável Renato, contundido.

No lado contrário, praticamente uma formação de atletas que passaram pelo futebol goiano: Arnaldo, Renié, Ricardinho, Fernando Neto, André Lima, Tomas Bastos, Júnior Brandão, Felipe Garcia e o comando de Claudinei Oliveira. Fernando Neto saiu antes dos 20 minutos, contundido. Deu lugar ao meia Tomas Bastos (ex-Atlético-GO).

As duas melhores chances passaram pelos laterais. Formiga bateu cruzado e ninguém apareceu para balançar as redes do Fantasma, enquanto Alex Silva pediu pênalti após lançamento de Arthur Rezende, mas a arbitragem de vídeo (VAR) marcou impedimento no lance.

O Operário-PR parou em duas defesas de Tony e teve uma boa chance com Paulo Sérgio, mas a zaga salvou.

Se estava difícil abrir o placar no primeiro tempo, o Vila Nova também sofreu na etapa final. Jean Silva e Rubens entraram no ataque. Daniel Amorim saiu vaiado de campo. Matheuzinho acertou a trave e a impaciência passou a tomar conta dos vilanovenses.

A torcida estava à espera do gol, enquanto a equipe tentava, sem muita conexão. Na melhor chance, Diego Tavares ficou livre para marcar o gol da redenção, mas, da direita, chutou cruzado para fora. Por pouco, o Operário não piorou ainda mais o drama vilanovense nos acréscimos, mas a trave salvou o Vila Nova.

FICHA TÉCNICA

Vila Nova: Tony; Alex Silva, Eduardo Doma, Rafael Donato, Willian Formiga; Ralf (Pablo Roberto), Arthur Rezende, Wagner (Diego Tavares); Matheuzinho (João Lucas), Daniel Amorim (Rubens) e Pablo Dyego (Jean Silva). Técnico: Dado Cavalcanti

Operário-PR: Vanderlei; Arnaldo, Renié, Willian Machado, Fabiano; Ricardinho, Felipe Saraiva (Felipe Garcia), Fernando Neto (Tomas Bastos), Paulo Sérgio (Júnior Brandão); Giovanni Pavani (André Lima) e Silvinho (Lucas Mendes). Técnico: Claudinei Oliveira

Local: Estádio Onésio Brasileiro Alvarenga (Goiânia-GO). Árbitro: Rafael Rodrigo Klein/RS. Assistentes: Leirson Peng Martins/RS e Tiago Augusto Kappas Diel/RS. AVAR: Daiane Caroline Muniz dos Santos/SP (Fifa). Público: 1.889 pagantes. Renda: RS 18.565,00.