O calvário do Vila Nova continua na Série B do Brasileiro, mas pelo menos deixou a lanterna da competição. A equipe vilanovense desafinou em mais uma rodada em que precisava da vitória em casa, no Estádio Serra Dourada, na noite desta sexta-feira (5). O Tigre ficou no empate de 1 a 1 com o Ituano-SP no jogo em que o zagueiro e capitão Rafael Donato vacilou no lance do gol dos visitantes, enquanto o empate saiu no pênalti cobrado por Neto Pessoa, defendido pelo goleiro e aproveitado pelo atacante no segundo tempo.

Não faltou luta, é verdade, mas houve carência de inspiração para o time que briga para não ser rebaixado à Série C.

O resultado não livra o clube da faixa dos últimos colocados (Z4), mas o deixa com 19 pontos, fora da lanterna - ultrapassou o Náutico, que perdeu para o Operário. Terá de pontuar na próxima terça-feira (9), diante do Tombense-MG, em Muriaé-MG, desfalcado de Arthur Rezende, Matheuzinho e Romário, suspensos.

O Vila Nova, ao descer para os vestiários no intervalo do primeiro para o segundo tempo, foi vaiado pelos torcedores. Foi a reação da torcida, impaciente e contrariada pela atuação ruim de uma equipe que precisa de vitórias, ainda mais jogando em casa.

O time vilanovense foi só esforçado na etapa inicial. Nada mais. Houve falta de criatividade, iniciativa e de um pouco de velocidade e ousadia de um time que fez a opção de jogar no Serra Dourada.

Na etapa inicial, um dos poucos momentos de alento foi na cobrança de falta, para fora, de Arthur Rezende. Foi o retrato de uma equipe apagada e que precisa subir de produção nas próximas rodadas para brigar contra o rebaixamento. Visitante, o Ituano apareceu mais vezes no ataque, arriscou algumas conclusões e foi melhor do que o Vila Nova no primeiro tempo. Apesar disso, também não levou tanto perigo à meta de Tony.

Leia também:
+ Reforço de última hora, lateral do Vila Nova/Universo luta para seguir no futebol

Para mudar a cara do time vilanovense no segundo tempo, o técnico Allan Aal mudou a equipe em duas posições: na lateral direita, com o estreante Railan no lugar de Pedro Bambu, e no ataque, em que Matheuzinho teve outra chance de jogar na vaga de Matheus Souza.

Mudanças de posicionamento e de atitude, pois a equipe melhorou e a torcida passou a jogar junto.

As chances começaram a aparecer. Na primeira delas, o  Vila Nova balançou as redes para o delírio da torcida, mas o atacante Neto Pessoa estava em impedimento e o gol foi anulado.

O lance mostrou que a disposição do time goiano poderia ser outra. Poderia... O castigo chegou no vacilo do capitão Rafael Donato, que escorregou e perdeu a bola. Gabriel Barros não perdoou. Ao contrário, chutou rasteiro e abriu o placar - Ituano 1 a 0 aos 12 minutos.

As vaias do intervalo passaram a ser distribuídas para alguns jogadores do Vila. Por ter falhado no lance do gol do time de Itu, Rafael Donato era o mais atingido. Além dele, Arthur Rezende foi vaiado ao ser substituído. A trégua veio quando Gerson Magrão cometeu o pênalti. Neto Pessoa fez a cobrança, o goleiro defendeu e Neto Pessoa aproveitou o rebote. Gol chorado. Empate de 1 a 1, aos 26 minutos.

A torcida e o time pediram pênalti sobre Railan, mas a arbitragem não marcou.

FICHA TÉCNICA

Vila Nova: Tony; Pedro Bambu (Railan), Rafael Donato, Alisson Cassiano, Willian Formiga; Ralf, Romário (Jean Martim), Arthur Rezende (Wagner); Matheus Souza (Matheuzinho), Neto Pessoa, Pablo Dyego (Marlone). Técnico: Allan Aal

Ituano-SP: Filipe; Kaio, Lucas Dias, Bernardo, Mário Sérgio; Rafael Pereira (Gerson Magrão), Caíque (Jiménez), Siqueira; Gabriel Barros (João Victor), Bruno Lopes (Vinícius Jaú), Aylon (Chrigor). Técnico: Carlos Pimentel

Local: Estádio Serra Dourada (Goiânia-GO). Árbitro: Rodrigo José Pereira-PE. Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Mattos-BA (Fifa) e Francisco Chaves Bezerra Júnior-PE. Gols: Gabriel Barros aos 12 minutos, Neto Pessoa aos 26' do 2º tempo. Público: 5.058 pagantes. Renda: R$ 41.260,00