O volante Fellipe Bastos, do Gioás, disse que sofreu um ato de racismo por parte de um torcedor do Atlético-GO após a vitória esmeraldina no clássico, por 1 a 0, neste domingo (8). O jogador esmeraldino disse que foi chamado de “macaco” duas vezes pelo mesmo torcedor e disse que se sente enojado e espera punição ao torcedor.

Após o apito final, quando se dirigia para o túnel que dá acesso ao vestiário, Fellipe Bastos afirmou que foi chamado de “macaco” por um torcedor e o identificou como um homem que tinha um óculos sobre a cabeça. Após sofrer racismo, o jogador se dirigiu ao torcedor e pediu para que ele repetisse o que havia dito. Segundo Fellipe Bastos, o torcedor voltou a chamá-lo de “macaco”.

O Goiás espera a identificação do torcedor para que Fellipe Bastos possa registrar boletim de ocorrência. O Atlético-GO espera estar de posse das imagens que comprovem o ato de injúria racial para se posicionar.

Leia também:

Goiás marca sobre o Atlético-GO aos 48 segundos de jogo e garante primeira vitória na Série A
Classificação do Campeonato Brasileiro

Fellipe Bastos disse que foi a primeira vez que isso aconteceu com ele na carreira e que espera punição ao torcedor. “O ato de racismo machuca, dói, deixa a gente entristecido. As pessoas que estavam ali do lado ouviram e os policiais e seguranças poderiam muito bem ter identificado ele. Tem sido recorrente isso e temos de dar um basta. Só quem sofre sente. Estou muito assustado com o que aconteceu porque ele repetiu, me chamando de macaco duas vezes. Estou enojado dessa pessoa”, frisou o volante esmeraldino.

Segundo ele, ainda não houve nenhuma resposta vinda das autoridades ou por parte do clube atleticano. Fellipe Bastos, no entanto, reforçou que não gostaria que o Atlético-GO fosse punido. “Esse torcedor precisa ser identificado e sofrer punição, sim. Não digo o clube, porque um torcedor não representa o que é o Atlético-GO. Mas a pessoa precisa sofrer punição, sim, e é fácil de identificar, é só pegar as imagens”, disse Fellipe Bastos.

Após a entrevista coletiva de Fellipe Bastos no Estádio Antônio Accioly, o técnico do Atlético-GO, Umberto Louzer, se dirigiu até a sala onde estava o jogador esmeraldino e deu um abraço solidário ao jogador.