Pegar um sambinha bom durante o fim de tarde no Mercado Municipal. Assistir a uma apresentação de teatro na Praça do Coreto. Se deliciar com uma comida típica no Quartel do 20. Caminhar pelas ruas de pedra do Centro Histórico noite adentro embalado por músicos de serenatas. Tem de tudo na 1ª Virada Cultural Vilaboense, que começa nesta quinta-feira (12), na cidade de Goiás, com uma imersão artística por hábitos e costumes tradicionais goianos.

Projeto realizado pela Associação dos Restaurantes, Pousadas, Hotéis e Similares da Cidade de Goiás (Arfphos) com apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás (FAC), a Virada apresenta uma extensa programação com shows musicais, mostras de cinema, capoeira, festival gastronômico, sarau literário e apresentações cênicas. A ideia, de acordo com o organizador, Rodrigo Santana, é criar um mergulho na cultura vilaboense, além de fomentar o turismo da região.

Leia também:
- Confira a programação da 1ª Virada Cultural Vilaboense
Festival de gastronomia, Festin é realizado dentro da Virada Cultural Vilaboense 

“Procuramos envolver vários hábitos culturais da cidade, como as rodas de samba, o teatro, as serenatas e o cinema”, explica Rodrigo. Ao estimular a produção cultural local, a Virada também fortalece as instituições culturais do município, como museus e Centro Histórico, e fortalece o turismo, como os restaurantes e pousadas. “O conceito é valorizar a riqueza da cidade, o berço do Estado, com todos os mecanismos culturais e sociais que conduzem Goiás”, destaca.

Durante os quatro dias de Virada, o público poderá conferir atrações em diferentes palcos da cidade, como Mercado Municipal, Praça do Coreto, Igreja de São Francisco, Quartel do 20, Praça do João Francisco, além de serenatas pelas ruas e becos de Vila Boa. O roteiro será aberto nesta quinta-feira, às 19 horas, no Mercado Municipal, com a exibição do filme Vila Boa Bela Brilha, da diretora Mara Moreira, seguido da apresentação da Orquestra Filarmônica de Goiás.

A programação da Virada se estende até domingo (15), com show da cantora Maíra Lemos, concerto de banda, coral, roda de samba, encontro de violeiros, teatro de rua e grupo de capoeira. “Toda a produção cultural local tem um significado muito forte enquanto fortalecimento da tradição vilaboense passada de geração em geração. É algo que nos enche de orgulho”, destaca Rodrigo.

Reconhecimento

Um dos setores mais afetados pela pandemia, a produção cultural vilaboense e o turismo sentiram o peso de ficarem fechados durante quase dois anos. Com a reabertura e retomada de diversos projetos históricos da cidade, caso da Procissão do Fogaréu e do carnaval de rua, a ideia é que a cidade se torne um ponto de turismo obrigatório de quem passa pelo Estado.

“O setor cultural de Goiás foi muito penalizado por conta da pandemia. Agora, nesse momento de retomada, a cidade se vê unida em prol de um projeto de reinserção no turismo e na cultura”, explica Rodrigo Santana. Para a Virada Cultural, o organizador explica que a comunidade ainda está preocupada em relação à pandemia, e, por isso, haverá testagem em massa na cidade. “Não chega a ser exigência, mas são recomendações para que possamos usufruir do município da melhor maneira possível”, destaca.