Em um Brasil onde o sol nasce com toda sua intensidade a cada dia está a pequena Canta Pedra, cidade fictícia da nossa história. Um lugar que, segundo contam, já foi mar e virou sertão. É nesse ambiente que nossa fábula contemporânea se passa, num pedaço que é físico, mas que também é parte essencial da personalidade de cada uma das figuras que compõem esse enredo. Em Mar do Sertão, próxima trama das seis da Globo, obra criada e escrita por Mario Teixeira com direção artística de Allan Fiterman, o público vai acompanhar o desenrolar do triângulo amoroso vivido por Candoca (Isadora Cruz), seu grande amor Zé Paulino (Sergio Guizé) e Tertulinho (Renato Góes).

Também estará em foco o poder dos coronéis da região, principalmente se nas mãos deles estiver o bem mais precioso da região: a água. Haverá ainda personagens como o padre que promove a bondade e a fé na pacata Canta Pedra, além do prefeito e do delegado que pouco ligam para o povo da cidade. A história tem como pano de fundo um sertão colorido e solar – sem esquecer de suas mazelas, mostradas na incansável luta da sua protagonista por justiça e igualdade –, que leva o espectador ao encontro da beleza natural exuberante do Nordeste brasileiro.

“Escolhemos ambientar a história em uma cidade fictícia para mostrar o sertão que existe, mas com liberdade para também apresentá-lo de forma metafórica, fabular. Quero trazer para essa novela o Nordeste que está dentro de mim, que vivi durante toda a minha vida”, comenta o autor Mário Teixeira. “O público pode esperar uma novela espirituosa, com boa dose de leveza e humor. Conhecemos o sertão semiárido, e falaremos dele, mas queremos dar espaço também para a natureza verde, a cultura e a arquitetura com muitas cores dessa região”, pontua o diretor Allan Fiterman.

No início da trama, Candoca e Zé Paulino estão noivos. A ansiedade é grande, já que em breve vão, finalmente, realizar o sonho de casar. O problema é que o coronel Tertúlio (José de Abreu) – dono da Fazenda Palmeiral – dá ordem para que Zé Paulino leve um cavalo até uma outra cidade justamente na data em que a cerimônia está marcada. Enquanto isso, Tertulinho (Renato Góes), retorna a Canta Pedra depois de uma longa temporada na capital. Ao reencontrar Candoca, o encantamento dele é imediato. E, mesmo quando fica sabendo que a jovem é noiva de Zé Paulino, Tertulinho ainda tenta dar suas investidas.

É aí que o destino vai agir. O coronel Tertúlio avisa que o filho deve acompanhar Zé Paulino, mas uma forte chuva durante a viagem provoca um acidente: Tertulinho consegue se salvar, enquanto Zé Paulino é dado como morto. Quando dez anos se passam e Zé Paulino retorna mais vivo do que nunca a Canta Pedra, a vida de todos os moradores da pacata cidade será afetada, principalmente a de Candoca. Os dois ficarão entre o dilema de viver o que sentem ou deixar que a mágoa fale mais alto. Zé Paulino ainda estará tomado pela vontade de fazer justiça e mudar a configuração de poder da região.

Quem também terá o destino transformado pela volta de Zé Paulino é Timbó (Enrique Diaz). Sobrevivente da seca e da vida agreste que o povo da região está condenado há gerações, ele enfrenta todas as dificuldades levando a vida com bom humor, criatividade e um pouco de malandragem. Até que o retorno do amigo que ele acreditava estar morto - e uma dose de sorte - muda esse cenário.