O ano-novo chegou, com suas luze, fogos e dobres de sinos, como costuma chegar, depois de 12 meses de lutas inglórias. E, especialmente, este, em que se perderam a conta de quantos amigos e parentes cruzaram mais cedo o véu dos mundos. De quantos perderam o juízo e até parte considerável da razão de viver. A chegada de um ano-novo vem tomada ainda mais de simbologias de…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários