Não olhe pra cima

Era um desses dias esturricados do fim de julho. A luz do sol chegava pálida às ruas, depois de atravessar as barreiras de fumaça e poeira. O ar estava denso, compacto, quase fatiável de tamanha secura. Árvores perdiam as folhas e se preparavam para…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários