Estamos na casa da pianista Martha Argerich em Bruxelas, no começo dos anos 2000. Ela e Nelson Freire, muito amigos desde a juventude de estudos em Viena, se preparam para um dueto de pianos em um festival no sul da França, que aconteceria alguns dias depois. "E isso aqui? Vamos ler?", ele diz sobre um livro de partituras que pega em meio aos papéis espalhados sobre ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários