A queda de passageiros no sistema de transporte coletivo, embora tenha sido drasticamente intensificada ao longo da pandemia, é um problema que se arrasta há mais tempo. Segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos , em 2019, último ano livre de coronavírus, o Brasil registrou em média 3 milhões de passageiros a menos por dia. E não existe solução única para um problema que afeta diferentes cidades, cada qual com intensidade e diagnóstico variáveis.

O setor de transportes, para recuperar passageiros, além de

uma retomada da economia capaz de elevar o emprego, precisa se modernizar empresarialmente, adotar algumas práticas que valorizem a qualidade do serviço, práticas de política tarifária, bilhetes semanais, bilhetes mensais, tarifas fora dopico, formas de pagamento pré-pago, tudo isso visando a dar mais eficiência, transferindo essa economia para a qualidade do serviço.

Lançado ontem, o Passe Livre do Trabalhador dá opções de até oito viagens diárias durante 30 dias do mês. A inclusão de benefícios na reestruturação do transporte público é um passo relevante para estancar a sangria de passageiros.