Há estimativa de que 70% da comida que chega às mesas no Brasil é proveniente da agricultura familiar, ou seja, é um modelo com relação direta com a segurança alimentar da população. Também tem potencial de impulsionar economias locais e sedimentar vínculos dos produtores com seu ambiente de moradia e produção.

No Brasil, de acordo com o último Censo Agropecuário do IBGE, de 2006, 84,4% dos estabelecimentos rurais são de base familiar e ocupam 74,4% da mão de obra que está no campo - mesmo estando em apenas 24,3% de toda a área rural do País.

Por essa razão, projetos que agreguem valor aos produtos são um inteligente estímulo à fixação dessas famílias no campo, sem as quais as consequências nefastas no abastecimento são previsíveis. A inovação pode criar condições para a manutenção da viabilidade econômica das propriedades familiares e sua capacidade de se reproduzir como unidade social familiar, além de contribuir para a modernização do setor.

Reportagem na edição de ontem mostra como o apoio de entidades do setor privado, como o Programa ReDes, traz dinamismo ao campo, criando sabores com forte acento goiano. É uma aposta bem-vinda na diversidade.