A banalização de homenagens por parte de vereadores é o tema de reportagem que estampa manchete desta edição. Em ano eleitoral, o número de diplomas entregues pelos parlamentares supera 7 mil só no primeiro semestre de 2022.

Entre os agraciados estão influenciadores digitais, família cristã, feiras, times de futebol e bares. Sem entrar na seara de merecimento de cada homenageado, é de se esperar que uma casa legislativa de um município das dimensões de Goiânia dedique tempo relevante para discutir e propor soluções aos seus inúmeros problemas.

Duas reportagens publicadas na semana passada dão uma amostra de alguns desafios gigantes enfrentados pela capital; a fome e destruição ambiental. No primeiro caso, o jornal mostrou como o avanço da insegurança alimentar se reflete nas escolas públicas.

No segundo, a matéria apresenta um mapeamento de satélite que revela a perda de 77% da superfície natural de água em Goiânia. As tragédias social e ambiental se desenrolam diante dos olhos da população e exigem atenção de seus representantes.

Mais que gastar tempo em homenagens, os eleitores esperam que os homens públicos se debrucem sobre tais problemas e trabalhem para eliminá-los.