O BRT Norte-Sul é a maior obra viária em andamento na capital. Vai impactar a vida de todos, inclusive daqueles que não andam de ônibus. Por quê? Ora, este é o principal meio de transporte do brasileiro. Segundo pesquisa do Instituto Clima e Sociedade, colhida em realidade pré- pandêmica, 42% da população utiliza o ônibus como forma de deslocamento.

Mas há oscilações pelas classes sociais. Na avaliação por renda, o uso do ônibus como meio principal pode cair de metade da população para um terço. Os brasileiros com renda de até 1,5 salários mínimos são os que mais recorrem ao transporte coletivo: 48%. Já quem tem renda maior que 5 salários mínimos representa 35% do grupo. Contudo, para o sistema de transporte conseguir ser competitivo como o carro, deve apresentar vantagens em relação ao tempo de viagem, conforto, custo e segurança. Trata-se de um horizonte alcançável. Isto ocorre porque ele é o transporte mais barato para ser organizado, pode usar vias existentes e tem flexibilidade, podendo ter seu percurso alterado sempre que conveniente.

Daí a importância de se acompanhar os avanços do BRT. Ontem, depois de três anos, foi entregue o novo Terminal Isidória.

É algo que, com visão de longo prazo, vale mais do que dezenas de viadutos.