Após um final de semana de alta letalidade no trânsito da capital, com pelo menos sete mortes em 24 horas, é importante refletir sobre as causas do fenômeno. A perícia, para ser sólida, nem sempre acompanha o ritmo da busca de respostas no seio da sociedade. Mas, de antemão, é possível antever traços de imprudência na maioria dos casos - desse fim de semana e também ao longo dos anos.

A educação sempre surge como alternativa, justamente pelo enorme potencial de transformação das pessoas. Porém, paralelo ao esforço civilizatório, convém pensar em medidas auxiliares, capazes de estancar as perdas de vidas humanas deste patamar inaceitável.

Um delas veio a público no Diário Oficial da União de ontem. O Conselho Nacional de Trânsito formula benefícios a condutores cadastrados no Registro Nacional Positivo de Condutores.

A rigor, trata-se de uma lista para onde vão todos aqueles que não tenham cometido infrações pelo prazo de 12 meses.

Prevista no Código de Trânsito Brasileiro, a medida tem o mérito de, em vez de investir tão somente na punição - o meio mais fácil e simplório de coerção, partir para a recompensa aos que observam a lei, trazendo ganhos coletivos e, agora, também para si.