Depois de uma longa e penosa polêmica, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou enfim que as vacinas contra Covid-19 para crianças devem ser distribuídas para os estados na segunda quinzena deste mês.

Os imunizantes já estarão no País em 10 de janeiro, mas precisam passar pelo processo de segurança antes de serem distribuídos. Ainda não há um cronograma definido, portanto.

O prazo assinalado pelo Supremo Tribunal Federal, para o governo prestar informações sobre a vacinação infantil, coincide com a data anunciada pelo ministro. Em nota enviada à Corte, feita pelo corpo técnico do ministério, a vacina contra Covid-19 desenvolvida para crianças é tida como segura, “uma ferramenta de proteção e que a vacinação vai atenuar interrupções de aulas na pandemia”.

A judicialização de um dissenso artificialmente plantado na agenda nacional, não à luz da razão, mas com fins meramente eleitorais, é um retrato de lideranças que não souberam se afastar dos palanques mesmo na mais severa crise sanitária de nossa geração.

Que neste ano, pelo menos as crianças sejam poupadas desse despautério.