As indicações do genro e do filho do pastor Arilton Moura, suspeito de tráfico de influência dentro do Ministério da Educação (MEC), para dois cargos na Prefeitura de Goiânia em maio do ano passado teriam partido do religioso e do pastor Gilmar Santos, outro envolvido no esquema chamado de “Bolsolão do MEC”. Os dois pastores mais o genro de Arilton, além do ex-ministro ...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários