Professor de gestão de políticas públicas na USP, Pablo Ortellado refez neste ano uma pesquisa que liderou em 2018 para entender o fenômeno social e eleitoral do bolsonarismo. Há quatro anos, o levantamento revelou que os eleitores do então candidato Jair Bolsonaro tinham posições conservadoras sobre os temas morais da guerra cultural, eram antipetistas e contra os partidos políticos, em especial o PT, e desconfiavam das elites culturais — leia-se professores, jornalistas e artistas.

Neste ano, a pesquisa, realizada em parceria com o colega Márcio Moreto, professor de Sistemas de Informação na mesma universidade, foi realizada em São Paulo com 2.038 entrevistados entre os dias 7 e 14 de maio. Os resultados mostram o que pensam três subgrupos de eleitores: 1) os bolsonaristas convictos; os bolsonaristas arrependidos e os não bolsonaristas.

Para conversar sobre esses dados, o convidado desta terça-feira (26) do Chega pra Cá é o professor Pablo Ortellado, que também é colunista do jornal O Globo.

Leia também: 

Chega pra Cá: Pedro Mundim, cientista político especialista em pesquisa e comunicação política

Cileide Alves entrevista Beto Marubo, membro da Uniāo dos Povos Indígenas do Vale do Javari

Chega pra Cá: José Garrote, presidente da Associação Pró-Desenvolvimento Industrial de Goiás